domingo, 15 de outubro de 2017

A COISA CERTA

Começo a entregar as provas e um aluno faz uma pergunta:
- Professor, o senhor não vai entregar também as respostas?
Eu respondo:
- A corrupção não é praticada tão somente por alguns políticos. Devemos combater a corrupção e o que você propõe é corrupção.
É notória a presença do famoso “jeitinho brasileiro” na vida nacional. Vem de longe a “lei do Gerson” que preconiza levar vantagem em tudo. Esse conceito significa o individualismo. Infelizmente não temos o senso de coletividade. Aquela noção do que existe ao nosso redor é de todos nós e devemos cuidar para favorecer a todos.
E a corrupção está presente nas pequenas coisas. Furar fila é o modelo mais conhecido, além da cola em uma prova ou o colocar o nome num trabalho escolar do colega. Acredito que a corrupção nos bancos escolares pode ser o pressuposto para voos mais altos na escala de corrupção. A escola forma mentes e cidadãos, mesmo com suas deficiências, com o sentido do justo e na sociedade alguns reproduzem vários tipos de coisa errada.
Vale ressaltar e valorizar a coisa certa. A honestidade em todos os seus sentidos. Todo dia deitar e debruçar-se sobre o travesseiro e saber que não prejudicou ninguém e nem deu golpe algum. Passar para os filhos a honestidade como o bem mais notável que um ser humano possui. Ah, mas os políticos a toda hora nos bombardeiam nos noticiários com falcatruas.

Mais do que nunca procurar e disseminar conceitos de honestidade e que a política deve ser a missão para os honestos. É a luta de todos nós. Ser político é uma grandeza, pois vai servir para o bem comum. Todos nós e a todo instante fazemos política. A conversa, o diálogo com nosso semelhante revela bem a política nossa de todos os momentos. Falta o despertar de uma grande maioria e eleger institucionalmente homens e mulheres que tenham a ética e o trabalho honesto voltados para o coletivo, para todos.

domingo, 1 de outubro de 2017

E A LAICIDADE DO ESTADO?

A laicidade do estado sempre foi usurpada em nome de uma ou outra religião. Quero ver escolas dando espaço pra todas as religiões. Impossível. E os pais que não vão querer que seus filhos estudem a religião A, B, C ou Z? Como ficam? O que fazer com os alunos que não estarão nessas aulas?. Nem deveria existir aulas de ensino religioso nas escolas. Ensino religioso deve ser nos lares, igrejas, mesquitas, terreiros,...!

domingo, 27 de agosto de 2017

NESSES TEMPOS ATUAIS

José de Arimatéa dos Santos
Vivemos tempos complicados. E não só no Brasil. O mundo se encontra desnorteado e de uma forma que o preconceito e o racismo, além do discurso de ódio estão presentes nas relações humanas. As religiões procuram respostas através de Deus, contudo, acredito, que primeiramente o problema está em cada ser humano que deve rever muitos de seus conceitos. Perdidos estamos nós em um mundo altamente tecnológico onde as máquinas comandam nossas relações. Está aí o celular que praticamente faz tudo em nossas vidas. Longe de mim ser contra a tecnologia. Os meios tecnológicos que dispomos devem nos auxiliar nos problemas que demoravam muito tempo para serem resolvidos.
Há uma crise de autoridade e em todos sentidos. Muitos não aceitam as regras, a disciplina e questionam a hierarquia. Nisso, a bagunça se instala e dessa forma não há a organização necessária. A concentração se esvai e o que se deve decidir fica meio capenga. As etapas seguintes ficam comprometidas. O respeito a liderança, ao chefe se faz necessário para haver a organização e as tarefas feitas de forma natural. Não o autoritarismo e a violência como formas de rever e organizar todas essas situações que vivenciamos no dia a dia! O diálogo, o consenso e o cumprimento do que foi decidido pelo coletivo é que devem prevalecer.
O aprendizado e o reforço num mundo mais democrático passam pela valorização da educação. Um povo altamente educado sabe resolver os impasses de uma maneira com menos traumas e assim os problemas são resolvidos de forma que todos saiam ganhando. Valorizar os trabalhadores das escolas e que vai do professor, passando pelo vigia, merendeiras, técnicos administrativos e a conscientização dos pais e alunos em participar da vida da escola. Numa realidade que os profissionais das escolas são ameaçados diariamente pela indisciplina e a violência que rondam os educandários, fica cada dia mais difícil. A autoridade do professor cada vez mais diminuída e fruto de vários fatores que vão do desinteresse do governo em investir realmente em educação e a falta da educação familiar de muitos alunos.

Por fim, se faz necessário ter esperança que essa fase passe o mais rapidamente possível. São ciclos que a humanidade vive. São nas crises que encontramos as saídas para resolver os impasses. Espero que a resolução venha por meios democráticos. Nunca pelo caminho mais fácil da violência, preconceito e do autoritarismo, pois os conflitos continuarão e as desigualdades sociais aumentadas. Só haverá uma sociedade equilibrada quando todos tiverem as oportunidades num mesmo patamar de forma equânime. Daí é possível viver num mundo solidário, justo e fraterno.

domingo, 18 de junho de 2017

NÃO AS "REFORMAS" DA PREVIDÊNCIA E TRABALHISTA

Uma elite política que sempre esteve no poder mandando e desmandando resolve sair da escuridão e promovem um impeachment com o apoio da grande mídia. No comando da nação estão totalmente enlameados pela corrupção e ainda querem empurrar de goela abaixo de todos nós, dizendo ser "modernidade", a escravização no trabalho e praticamente por fim na aposentadoria.

domingo, 4 de junho de 2017

RESPEITAR O MEIO AMBIENTE

José de Arimatéa dos Santos
Diuturnamente o meio ambiente está sendo comprometido, pois o ser humano produz riquezas explorando a terra. Seja na agricultura, nos recursos minerais e nas indústrias, entre outros. Os impactos a curto e longo prazo aparecem. O importante é estudar e procurar diminuir esses impactos. Vemos muitos lugares que chovia em demasia, a escassez de precipitações e regiões secas cada vez mais secas. No Brasil e no nordeste a seca predomina e o estado de São Paulo passou recentemente por um período difícil pela falta do precioso líquido.
É importante ressaltar que o capitalismo se alimenta da exploração da natureza e principalmente da mão de obra do trabalhador. Incentiva-se o consumismo e assim nessa roda descarta-se muita coisa aproveitáveis, reaproveitáveis, contudo a máquina capitalista necessita de mais produtos. O tão famoso “mercado” dita a economia dos países como o Brasil. Brasil que necessita das “commodities” para impulsionar a economia. Basta observar a comemoração do governo com o aumento de exportação de produtos agrícolas.
O que preocupa é a voracidade do mercado agrícola sobre áreas florestais que deveriam ser exploradas com mais cuidado. Não com mais facilidades nas leis e que aumentam a devastação de grandes áreas para o cultivo e criação de gado. As consequências são danosas para o meio ambiente desses locais e para o planeta de uma forma mais global. No Congresso Nacional se encontram várias proposições que “afrouxam” as leis ambientais. Aprovadas certamente será um “deus nos acuda” num futuro muito próximos quanto as questões de clima e de água.
Pela inteligência e pelo estudo se faz necessário buscar outras alternativas de desenvolvimento. Modos que levem em conta o que foi devastado, destruído. E por aí tentar reaproveitar esses espaços exatamente para produzir mais. Não é inteligente devastar mais áreas e comprometer mais ainda o meio ambiente. O futuro do planeta e da vida passam agora, no presente, com medidas que levem em conta a produção de mais alimentos, bens de consumo e principalmente um mundo em que todos possam usufruir dessas riquezas e a fome dizimada. No entanto com respeito ao meio ambiente.

domingo, 21 de maio de 2017

DIRETAS JÁ

É sabido a forma como foi feito o impeachment da presidente Dilma. Na verdade um golpe parlamentar. Ah, tem aqueles que não aceitam o óbvio em que o voto da maioria, para uma elite não vale nada. Uma pequena percentagem da população que se acha dona do Brasil e por possuir certa influência econômica e política tenta de todas formas(e das piores possíveis) barrar o avanço de políticas de inclusão e ascensão social de todos indistintamente.
Frente aos últimos acontecimentos se observa a insustentabilidade do governo ilegítimo e golpista de Michel Temer. Nunca teve e agora mais ainda não tem moral alguma pra continuar sua sanha de maldades contra o trabalhador, contra a maioria da população. Sustenta-se precariamente devido aos apoios de alguns grupos políticos e da grande mídia, contudo é uma questão de tempo e Temer cairá feito pedras de dominó. 
Após a queda do presidente Michel é importante jogar no lixo todas essas "reformas" propostas por seu governo. É inadmissível aceitar que tão somente o trabalhador pague a conta da "crise". E é difícil encontrar alguém que não seja grande empresário que ache que essas tais "reformas" sejam a modernidade. Não as "reformas" trabalhista e previdenciária! 
E somente eleições diretas para a presidência e para o parlamento para dar certa legitimidade ao novo governo. O povo tem todo o direito a dar um rumo a esse país. Nada de acordos entre quatro paredes e no ar condicionado e principalmente por figuras que defendem as "reformas" propostas pelo governo Temer. 
Eu quero votar pra presidente. Antecipação de eleições também pra Câmara dos Deputados e Senado, pois a grande maioria que está no parlamento não inspira confiança. Somente com eleições diretas para o Brasil dar um salto e que se puna quem realmente roubou, usou caixa 2 e demais ilícitos. 

domingo, 7 de maio de 2017

"REFORMAS" TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA

Pra começo de conversa um governo ilegítimo não tem moral nenhuma para propor reformas que atinge tão somente os mais pobres. Não sou especialistas nesses assuntos, contudo é claro e cristalino o direcionamento para que os trabalhadores paguem uma conta que não é deles. É sabido por todos que grandes empresas devem a previdência. E por que não começar a cobrar e receber destas? Será que o governo só é eficaz na cobrança aos pequenos e reles mortais?
E ainda tem uma coisa que se diz reforma que transforma o trabalhador em escravo. Estão a revogar a lei Áurea. Tantos absurdos que transformará o mundo trabalho em tão somente um espaço pros empresários lucrar, lucrar e lucrar. Quanto aos empregados quase nada de direitos. Um absurdo total.
E quem vota todas essas arbitrariedades é quem se diz representante do povo. Que povo? Deputados e senadores em sua grande maioria fisiológicos e corruptos. As denúncias pipocam a todo instante contra os "nobres" que não estão nem aí pras ruas e redes sociais que clamam pra votar contra tantos projetos vindos do executivo.
Pra tentar manipular tem uma grande imprensa vendida que tenta enfiar de goela abaixo essas "reformas". É hora de dizer não a todos que apoiam tanta coisa contra todos nós que somos a maioria. Não devemos aceitar esse quadro. Por isso digo um NÃO bem grande a essas "reformas".

domingo, 9 de abril de 2017

E A APOSENTADORIA?

Numa discussão sobre reforma da previdência e seus impactos na aposentadoria é importante mais do que nunca saber quem contribui e quem deixa a desejar e é devedor nesse sistema. É desumano somente os trabalhadores pagarem a conta da ineficiência de um sistema previdenciário. O governo atual não quer saber quem deve ao sistema. Quer simplesmente penalizar os trabalhadores.
É imperiosa a pressão sobre os parlamentares que votarão pelas modificações nas aposentadorias de todos nós. A proposta governamental de reforma da previdência deixa a grande maioria sem proteção, pois se baliza no tempo de contribuição muito difícil de alguém conseguir e idade mínima altíssima. Uma reforma onde num futuro próximo praticamente ninguém terá o direito básico do descanso da aposentadoria.
Outro fator que vai contra a essa proposta absurda é o fato que a economia vai de mal a pior e o tempo de vida do brasileiro é baixo quando se compara a países em melhor colocação no quesito economia e consequentemente condições de vida. O brasileiro em si não tem culpa nenhuma da má administração do dinheiro da previdência.
O importante nesse momento é a pressão sobre os parlamentares para votar contra essa reforma. O cidadão tem que fazer seu dever e cobrar uma postura aos deputados e senadores que vai de encontro aos mais elementares interesses da maioria da população. Saídas para melhorar a arrecadação da previdência existem. A cobrança aos devedores da previdência já seria uma saída para sanear as contas.
Acredito ser ponto pacífico que essa reforma da previdência não é boa pra todos nós. Portanto, é importante seguir, está a atento e sempre dizer um não a uma reforma prejudicial pro presente e pro futuro do Brasil. Não é justo trabalharmos a vida inteira e depois não conseguir se aposentar, pois o tempo de contribuição e a idade mínima são inatingíveis. Sem falar que prejudica as mulheres e setores dos trabalhadores rurais.

sábado, 4 de fevereiro de 2017

INFORMAÇÃO E DEMOCRACIA

A democracia demanda a participação de todos os cidadãos não só no dia da eleição em que vamos ás urnas e escolhemos nossos representantes. É importante e salutar acompanhar os políticos e cobrar melhores condições de vida para toda a comunidade. Exigir principalmente decência e transparência, pois os mesmos são funcionários muito bem pagos por cada cidadão que vive em seu município.
Vivemos a era da informação em que a todo instante sabemos do que acontece aqui e alhures e dessa forma fica fácil acompanhar os que os políticos fazem ou deixam de fazer. Claro que é necessário ter o devido senso crítico e duvidar de algumas informações que a primeiro momento parecem serem verídicas e logo se desmancham pela falta da verdade. Ou ainda quando parte da mídia procura perseguir seus inimigos e povoa seus noticiosos com notícias embaraçosas contra seus desafetos.
Vivemos um momento delicado da história brasileira quando grande parte da elite política está sob suspeita de corrupção. Um quadro que faz com que muitos se desiludam com todos os políticos e jogue todos no mesmo caldo. Sabemos que ainda restam políticos sérios e honestos. Uma minoria.
Os políticos que estão aí todos foram eleitos. O eleitor tem uma certa culpa ao eleger candidatos que na campanha política pedem humildemente o voto e faz promessas e tal e quando estão no cargo invariavelmente não cumprem o que prometeram e alguns enveredam pela corrupção. Os fatos dos últimos dias demonstram o quanto de errado estão a fazer ao desprezar completamente os eleitores e vender seus mandatos pra empresas privadas em troca de projetos que beneficiem essas empresas em detrimento da decência.

Nas próximas eleições, mais do que nunca, analisar e votar em quem realmente confiamos e se eleitos não enveredem por esse enredo da corrupção que acompanha, infelizmente, a nação brasileira desde seu descobrimento no longínquo 1500. A república passa por essa crise ética e são nas crises que se acham as soluções para se evoluir para uma democracia mais participativa, com mais liberdade e um povo com senso crítico e políticos mais sérios, éticos e transparentes.