sexta-feira, 14 de junho de 2013

TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO, EM GREVE, INTERDITAM O TREVO DO ROQUE POR UMA HORA

Foto: SINTERO(Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado de Rondônia)
A interdição do trânsito nas obras do Trevo do Roque, em Porto Velho, durante uma hora (das 10 às 11h) nesta quinta-feira, foi a forma encontrada pelos trabalhadores em educação estaduais de Rondônia e municipais de Porto Velho, para protestarem contra a postura do governo do estado e da prefeitura, de não negociarem o atendimento das reivindicações das categorias.
 A manifestação teve o apoio e a participação de estudantes de escolas públicas, que reclamam da falta de qualidade do ensino público.
 Os trabalhadores em educação da rede municipal estão em greve há quase 40 dias devido à intransigência do prefeito Mauro Nazif, que se recusa a utilizar os recursos próprios da educação para negociar o atendimento das reivindicações da categoria.
 Professores, técnicos e demais servidores da educação do município de Porto Velho estão entre os servidores que recebem os piores salários devido ao acúmulo de perdas históricas. A revolta da categoria é porque o prefeito Mauro Nazif, quando candidato, reafirmou diversas vezes que o município tem recursos para valorizar a educação, e o que faltava era gestão.
 O Sintero já mostrou que é possível atender parte das reivindicações através dos recursos de custeio da educação.
 Já os trabalhadores em educação estaduais estão em greve há 25 dias, em protesto contra a falta de política salarial e a falta de política para a educação na administração do governador Confúcio Moura. A categoria não aceita ficar sem a revisão salarial anual garantida pela Constituição Federal.
 O governo do estado se nega a negociar a pauta de reivindicações alegando que não há recursos, quando, na verdade, é verificado diariamente através das notícias veiculadas pelos meios de comunicação, que o dinheiro público está se esvaindo pelos diversos ralos existentes na Seduc e nos demais setores do governo.
 Um exemplo de ralo do dinheiro público e que revolta os trabalhadores em educação, é o festival de cargos comissionados, com a contratação de milhares de pessoas sem concurso público com altos salários através dos CDSs.
 Outro ralo denunciado em público são os contratos com empresas terceirizadas, como as empresas de vigilância, cujo valor saltou de R$ 17 milhões para R$ 58 milhões no atual governo.
“A interdição do trânsito no Trevo do Roque significa a revolta dos trabalhadores em educação e da população em geral, com o descaso da administração pública com os serviços públicos”, disse Manoel Rodrigues, presidente do Sintero.
“Esses elefantes brancos que chamam de viadutos são o símbolo do descaso.dos nossos governantes com o povo de Rondônia. A prefeitura deveria devolver essas obras ao DNIT. Egoverno do estado não se movimenta um milímetro para prestar serviços públicos de qualidade. A nossa população está abandonada pelo governo do estado e pela prefeitura”, desabafou o presidente do Sintero.
 Os grevistas da educação manifestaram apoio aos comerciantes e trabalhadores da região do Trevo do Roque e Rua da Beira, que da mesma forma, sofrem com o caos do descaso.
 A greve dos trabalhadores em educação continua nesta sexta-feira com concentração dos municipais em frente à prefeitura, e dos estaduais na Praça do Palácio do Governo. Novas formas de protestos serão discutidas, a exemplo das manifestações que foram realizadas nesta quinta-feira no interior do Estado.
 Trabalhadores em educação estaduais de vários municípios se reuniram simultaneamente em Jaru, Ji-Paraná e Vilhena, onde foram realizados vários protestos.
 Na próxima semana novas caravanas de trabalhadores em educação de todo o Estado deverão desembarcar em Porto Velho, onde também poderão montar acampamento para cobrar do governo uma resposta à pauta de reivindicações, condizente com as necessidades da categoria.

Um comentário:

Felisberto Junior disse...

Olá!Boa noite
Arimatéa
Como vai?
como sei que a greve é uma garantia constitucional , e deve ser exercida em sua plenitude, quando exercida dentro da legalidade, e estou lendo que há coerência e boa-fé nas negociações...estou de pleno acordo que tenham que protestar para o atendimento das reivindicações das categorias.Aprendi que quando uma categoria estiver fazendo greve, e não for a sua, não nivelar a condição do trabalhador "por baixo". Aprender a lutar e ser menos alienado. A luta sempre continuará.
Obrigado pelo carinho da visita
Bom domingo
Abração